3 dias em Miami: muito além das compras

      Miami é conhecida pelo brasileiros como o destinos das compras, mas o que nem todo mundo sabe é que dá para fazer uma viagem super incrível sem se prender somente aos outlets. Nesse post montamos um roteiro de 3 dias em Miami, passando por lugares diferentes, ruas descoladas, praias cristalinas, museus incríveis e também incluindo um momento para se divertir nas lojas.

      Onde se hospedar em Miami:

      Se você está indo pela primeira vez para Miami, recomendo se hospedar em South Beach, que é mais central e mais característico. Além disso, é mais conveniente: é na área praia, das ruas de compra, e próximo de todos os bairros. Só não fique nos hoteis dia Espanhola Way. Foi o que fizemos, e não conseguimos dormir: a rua é cheia de restaurantes com som alto madrugada adentro.

      Fora South Beach, outro bairro bacana para se hospedar é o Brickell, com seus prédios novos, arranha-céus e hoteis super arrojados.

      Mas ainda acho South Beach mais conveniente, e listo abaixo duas sugestões (veja também nosso post com os 10 melhores hotéis em Miami):

      Fica na Ocean Drive. Além da localização, tem ótima estrutura. Quartos grandes, acomodações duplas para famílias e ótimo café da manhã, que pode ou não ser incluído na diária. Os hóspedes podem aproveitar o deck da cobertura, com bar, piscina e vista para o mar.

      Onde se hospedar em Miami

      Onde se hospedar em Miami: Piscina no terraço do The Betsy Hotel

      Onde ficar em Miami

      Onde ficar em Miami: The Betsy Hotel

      Também de frente para a  praia, tem quartos grandes e com varanda, seis restaurantes internacionais, lounge, SPA e piscina externa, além de oferecer gratuitamente equipamentos de esportes aquáticos, incluindo caiaque e prancha de bodyboard.

      Melhores hotéis em Miami

      Melhores hotéis em Miami: Piscina do Loews Miami Beach Hotel

      Onde ficar em Miami

      Onde ficar em Miami: Varanda com vista do Loews Miami Beach Hotel

      Onde se hospedar em Miami

      Onde se hospedar em Miami: Quarto do Loews Miami Beach Hotel

      Roteiro completo: 3 dias em Miami

      Wynwood e Design District: dia 1

      Comece o dia pelo Design District, que fica ao norte de Wynwood. Por lá, como o próprio nome já diz, o design é o forte. Há muitas lojas de decoração, galerias de arte, esculturas contemporâneas e também lojas de grifes mundiais. É um passeio muito gostoso para se fazer na parte da tarde.

      As cafeterias e restaurantes ficam concentrados próximos da NE 2nd Ave, mas andando você explora algumas ruas bacaninhas para parar. No caminho, Ella e o Swan Miami são ótimas pedidas,

      De lá, siga para Wynwood, e fique até anoitecer, quando o bairro fica mais festivo ainda.

      Wynwood está para Miami assim como o Brooklyn está para Nova York. É a área da cena alternativa da cidade, com galerias de artes, galpões, bares e muita arte. Quem “criou” essa área foi Tony Goldmann, o mesmo empresário visionário do ramo imobiliário que lançou o Soho NY.

      Com o intuito de valorizar a área, e tendo em mente que arte deve ser para todos, ele chamou grafiteiros do mundo inteiro para intervir em uma série de paredes do bairro, transformando Wynwood numa enorme galeria a céu aberto. Estão lá nomes como Kobra, Osgemeos e Vhils.

      Daí em diante foi orgânico: os grafites só cresceram, e a reboque vieram galerias, bares shows, restaurantes. Para se achar no epicentro disso tudo, basta colocar no google maps Wynwood Walls: aí é seguir para lá e bater perna.

      Quem gosta de experimentar lugares diferentes para comer, deve fazer o Wynwood Culinary Tour, um passeio por de degustação por vários restaurantes originais do bairro. Entre eles: o  o GKB Wynwood (com pratos da culinária peruana e inspirações latinas), o Wynwood Kitchen and bar (com comida creola revisitada), o Dr Smood (sandubas orgânicos e sucos funcionais), Dom Black Miami, com hambúrgueres tradicionais e alternativos (incluindo o vegetariano), e o Crazy Poke, e o Bianco Gelato

       

      O que fazer em Miami

      O que fazer em Miami: Juju no Wynwood Walls

      miami dicas

      Miami dicas: Exposição no Wynwood Walls

      Atrações em Miami

      Atrações em Miami: Arte contemporânea no Wynwood Walls

      Miami em familia

      Miami em familia: Exposição do Wynwood Walls

      Roteiro Miami

      Roteiro Miami: Juju e Rico em Wynwood Walls

      O que fazer em Miami

      O que fazer em Miami: Entrada para a Wynwood Walls

      Roteiro Miami

      Roteiro Miami: Museum garage, um estacionamento diferente no Design District

      3 dias em Miami

      3 dias em Miami: Lojas de grife e esculturas contemporâneas no Design District

      Compras em Miami e o que fazer em  South Beach: dia 2

      Mesmo fazendo outras atividades por Miami, não dá para deixar de lado o tempinho reservado para as compras. Dá para ir nos grades shoppings e outlets da cidade (Swagrass Mills ou Dolphin Mall) ou para quem não quer ficar preso, curtir as lojas de rua na Lincoln Road (que foi a nossa opção, e embora não seja um outlet, há boas pechinchas).

      Nossa dica é fazer as compras no começo do dia, quando as lojas e shoppings estão abrindo. Assim dá para aproveitar tudo arrumadinho e ainda encontrar mais variedade. Depois, vá curtir a cidade. Se quiser comer algo antes, sugiro o Baires, na Lincoln Road, um argentino que vende empanadas incríveis.
      Então, começamos pela Ocean Drive, que é a rua da praia de South Beach. Os prédios em estilo Art Deco são o charme dessa parte de Miami, com restaurantes e cafés em cada um deles. Bem na frente fica o Lummus Park, uma extensa área pública com coqueiros, bancos e áreas para prática de esporte. E a praia, cenário clássico da cidade. Vale à pena alugar uma bicicleta pública e passear.
      Para comer em South Beach, indicamos o Joe’s Stone Crab (com as portas abertas há mais de cem ano, e quem como carro chefe carangueijo), o grego Milos, o cubano  Havana 1957 Ocean Drive,  e o italiano Caffe Italia, com opções de lanches e refrescos de diferentes sabores. Para os vegas, a dica é o Plnthouse
      Outra rua que nós gostamos foi a Española Way, onde ficamos hospedados. Ela vibra durante a noite, cheia de restaurantes com mesas na calçada. Nossas dicas são o Numero 28 Ristorante, de culinária italiana. Mais ao sul de South Beach, tem o Lilikou Organic Living, um lugar ótimo para um lanche ou um café da manhã
      Vale também andar em direção norte, pela Washington Ave, outra rua com lojas e restaurantes, até o Soundscape Park, que fica ao lado da academia de orquestra New World Symphony, onde em dias especiais há o Wallcast, com transmissão dos concertos em telões ao ar livre.
      o que fazer em Miami Beach

      O que fazer em Miami: Posto Salva vidas coloridos de Miami Beach

      Dicas de Miami Beach

      Dicas de Miami Beach: passear em South Beach é uma delícia

      Atrações em Miami

      Atrações em Miami: Juju e Rico na Ocean Drive. Reparem na arquitetura Art Deco

      O que fazer em Miami

      O que fazer em Miami: Lincoln Rd é um shopping a céu aberto

      Dicas de Miami

      Dicas de Miami: A badalada e charmosa Ocean Drive

      Roteiro 3 dias em Miami

      Roteiro 3 dias em Miami: A festiva  Espanola Way

      Miami o que fazer

      Miami o que fazer: O diferente Soundscape Park

      Downtown Miami e Brickell: dia 3

      Para fechar o roteiro, montamos um dia inteiro para andar por museus super legais de Miami e com o que dicas do que fazer e melhores cafés e restaurantes do Brickell.

      Comece seu dia de museus pelo Viscaya Museum and Gardens. Ela ocupa uma mansão em estilo renascentista italiano com jardins lindíssimos.  A mansão foi construída como casa de inverno do Magnata James Deering e hoje é aberta para visitação.  Para o café da manhã, você pode ir na cafeteria do museu mesmo, ou no Green Street Café, em Coconut Grove.

      Depois, rume para o Museum Park, onde ficam o Pamm e o Frost:

      • Pérez Art Museum Miami (PAMM): É um museu e arte contemporânea e alternativa muito bacana. As exposições tem quadros, esculturas e objetos do dia a dia em uma composição original e única. Vale a pena para quem curte diferentes movimentos artísticos. A entrada é $18 para adultos, $16 para adolescentes até 18 anos e gratuito para crianças até 8 anos.
      • Frost Science Museum: Ótimo programa para fazer em família, principalmente com criança pequenas. São vários experimentos interativos que todos podem aproveitar. Custa $29,95 para adultos e $20,95 para menores de 11 anos.

      Na saída, pode ir andando ou pegar o metrô até o Bayside Marketplace, que fica de frente para a baía e reúne restaurantes como Bubba Gump, Los Ramchos e Mambo Café.

      A última parada do dia é em Brickell, o distrito financeiro de Miami, um bairro mais moderno e que vem dando o que falar. Pelas ruas, há menos turistas e mais locais, com vários lugares deliciosos para sentar, tomar um suco, um café ou fazer uma refeição.

      Se for andando pelas ruas, entrará em espaços residenciais, com casas e prédios muito organizados e bonitos. Nesse meio do caminho, tem um restaurante ótimo, chamado Dolores but you can call me Lolita, super bem transado e com comida maravilhosa.

      Outro ponto alto é  Mary Brickell Village (901 S. Miami Avenue), um mall a céu aberto com bons restaurantes também. As opções são várias, entre eles os italianos Toscana Divino e Perricone’s Marketplace & Cafe, e o latino Baires Grill Brickell.

      Também adoro os cafés saudáveis  do Brickel, como o Cure Café, 100% gluten e soja free, que serve deliciosos smoothies, bowls, sucos e pratos leves.

      Atrações em Miami

      Atrações em Miami: Frost Science Museum

      Miami dicas

      Miami dicas: Vista do Museum Park

      O que fazer em Miami

      O que fazer em Miami: Frost Science Museum

      dicas de miami: o Dolores Loita, no Brickell

      dicas de miami: o Dolores Loita, no Brickell

      O que fazer no Brickell: Cure Cafe, saudável e gluten free

      O que fazer no Brickell: Cure Cafe, saudável e gluten free

      O que fazer em Miami: Bayside Market

      O que fazer em Miami: Bayside Market

      Como se locomover em Miami:

      Miami não é uma cidade para se alugar carro. O ideal é optar por Uber, que é mais barato que os preços dos táxis locais. Há muitos motoristas disponíveis e os valores não são exorbitantes. Sem contar que em algumas regiões, como é o caso de Miami Beach, dá para conhecer muita coisa a pé.

      No caso do centro da cidade e de Brickell, dá para se usar facilmente o Metrorail, que é o metro local, e o Metromover. O Metromover é uma espécie de metrô suspenso totalmente gratuito. E o metrorail custa de $2.25 uma viagem e o ticket é comprado em máquinas eletrônicas nas estações.

      Transporte e Miami

      Transporte e Miami: Metromover gratuito para conhecer o centro

      Sobre chip de internet:

      Usamos o da Easysim em toda a nossa viagem pelos EUA, emendando no México, sem precisar trocar de chip. Nós sempre usamos a easysim, porque é a marca de revenda mais antiga e a mais confiável.

      E é prática: a gente compra pelo site, e o chip é enviado já configurado para nossa casa. E você pode reutilizar os chips (EUA, México e Canadá) em outras viagens.

      Seguro viagem internacional

      Não é obrigatório nos EUA, mas como não há atendimento medico público nos país, é recomendável contratar um seguro. O nosso foi o da GTA Assist (usamos sempre esse)

      Se quiser comparar preços com outros seguros e comprar online, sugiro o Seguros Promo. Ele funciona como um buscador, apresentando os preços das diversas empresas.

      Quem voa para Flórida:

      Fomos de Copa num voo com escala no Panamá, e voltamos de Gol, via Orlando (onde demos uma esticada).

      O voo da Gol fez escala super rápida em Brasília, e desembarca no Santos Dumont, que é central e não pega trânsito.

      Nosso  classe foi a  premium, com mais espaço entre as cadeiras e reclinação maior, além da configuração  3×3 com a poltrona do meio bloqueada. O serviço de bordo foi bom,  com jantar e café da manhã. Só atenção: as aeronaves  Gol não têm televisão, então é preciso fazer download do aplicativo para acessar o entretenimento de bordo pelo dispositivo móvel.

      O voo da Copa é menos confortável.

      img_1299-2

      Nosso voo de Gol: poltronas super confortáveis na Premium

      img_1300-2

      Fileras 3×3 na Premium, com assento do meio bloqueado.

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado.