O que fazer em Alagoas: um guia para adultos e bebês

Na minha última viagem pela Rota Ecológica de Alagoas, encontramos algumas famílias que contaram ter dificuldade de organizar a viagem por Alagoas com bebês por conta da falta de informações na internet. Sendo assim, decidi incluir nesse post sobre o que fazer em Alagoas e sobre a Rota Ecológica algumas dicas específicas para facilitar a vida de quem viaja com filhos. Espero que ajude a todos, e qualquer dúvida, baste perguntar nos comentários que eu respondo.

O que fazer em Alagoas: Praias da Rota Ecológica

Sempre que me perguntam o que fazer em Alagoas,  mando ir direto pra Rota Ecológica.

Alagoas tem praias lindas, como Antunes, mas o pedaço mais bonito é mesmo a Rota Ecológica. Pra mim, não tem igual. Ela tem 50km de praias preservadas, com maciços de coqueiros, mar azul, piscina naturais, sem zoeira, sem beach clubs e sem resortões. É um lugar pra descansar e se conectar com a natureza (com exceção do ano novo, quando rola o Revéillon dos Milagres e a região lota numa rave de dias).

Situando geograficamente, a rota começa em Barra de Camaragibe e vai até Porto de Pedras, incluindo as praias de São Miguel dos Milagres, Toque, Patacho, Laje e Tatuamunha (essas são as mais lindas). As praias são uma dos lado a outra, e é muito fácil circular entre elas (veja aqui o nosso guia de praias da Rota Ecológica de Alagoas).  Mas atente que a estrada de asfalto passa pelos vilarejos, e não pela praia, de forma que da areia tudo o que você vê é mar e coqueiros. E esse é o grande barato.

Tenha em mente também que as praias são vazias e sem barracas, então se você viaja com crianças e bebês, leve água e lanchinhos, e não se esqueça de carregar seu lixo (leia nesse post mais dicas de praias no nordeste com bebês)

 

O que fazer em Alagoas: A praia do Patacho na Rota Ecológica

O que fazer em Alagoas: A praia do Patacho na Rota Ecológica

O que fazer em Alagoas: praia do Patacho, na rota ecologica

O que fazer em Alagoas: praia do Patacho, na rota ecológica

Praia do Patacho

Praia do Patacho

Praias da Rota Ecológica: Tatuamunha

Praias da Rota Ecológica: Tatuamunha

Praias da Rota Ecológica: Tatuamunha

Praias da Rota Ecológica: Tatuamunha

Praia da Laje, do lado de Tatuamunha: tirei essa foto estando na frente da pousada Borapirá.

Praia da Laje, do lado de Tatuamunha: tirei essa foto estando na frente da pousada Borapirá. Perceba que não existe nenhum sinal de civilização ou de carros.

Praia da Laje, e ao fundo, Patacho

Praia da Laje, e ao fundo, Patacho: vista a partir de Tatuamunha, na frente da Bora

A praia de São Miguel dos Milagres, na Rota Ecológica de Alagoas

A praia de São Miguel dos Milagres, na Rota Ecológica de Alagoas

 

Como chegar na Rota Ecológica:

Para chegar na rota, você pode ir por Maceió ou pro Recife, e então pegar a estrada para São Miguel dos Milagres. São mais ou menos 2:30 de estrada de asfalto, e basta seguir seu maps ou waze. Não tem mistério. Você pode pedir um transfer (média de R$200 por trecho) ou alugar um carro pelo Rentcars,  Rentalcars  ou Bandeira Rent a Car (essa é uma locadora local com carros novinhos)

Nós voamos  para Maceió de Avianca, que é uma das nossas companhias favoritas no Brasil (os aviões são novinhso e  com tevê individual mesmo nos vosso domésticos, tem lanche quentinho no serviço de bordo, e um staff muito gentil) .

Levamos  nossa prancha de SUP, porque achamos que os valores para embarque de material esportivo da Avianca compensavam mais do que alugar o equipamento por lá (até porque, é bem difícil achar caiaques e SUP pra alugar na rota)

como chegar na rota ecológica de Alagoas: voamos de Avianca até Maceio

como chegar na rota ecológica de Alagoas: voamos de Avianca até Maceio

E alugamos um carro pra circular. De Maceió até a primeira praia da rota são 2h30 de estrada

Pousadas para crianças na Rota Ecológica:

A Borapirá (veja aqui o review completo sobre a Borapira), na praia de Tatuamunha, é onde sempre fiquei, e por vários motivos. Primeiro, adoro o ambiente: a pousada fica de frente pro mar, e parece uma fazenda de coqueiros, com bangalôs branquinhos de janelas azuis, varanda e redes. Nenhum bangalô é devassado pelo outro: ao contrário, eles ficam espalhados pelo enorme gramado, mantendo a privacidade e a tranquilidade.

Como numa fazenda, a recepção, o restaurante, a cozinha, tudo se concentra na casa grande, uma construção arejada, com janelões e teto 4 águas. Na frente da casa grande, ficam as piscinas,uma alameda de coqueiros gigantes e uns tocos de madeira na beira do mar pra gente sentar e ver o pôr-do-sol.

A Borapirá não tem animador e não tem pinta de resort. É uma pousada para crianças, mas onde a gente escuta barulho de mar e som de passarinho, sem urgência de nada, porque como diz Adriana Didier – dona desse pedaço de paraíso – aqui tudo é calmo assim porque é onde o mundo começa.

Da cozinha, saem para os adultos receitas com DNA da rede Beijupirá, como o camarão crocante frito na manteiga de garrafa com arroz passa de caju. Para as crianças, massinhas com molho de tomate fresco e sopinhas de legumes.

Borapirá: pousada com foco em família em Tatuamunha, que parece uma fazenda de coqueiros

Borapirá: pousada com foco em família em Tatuamunha, que parece uma fazenda de coqueiros

pousada alagoas para bebes

O bangalô da Borapirá

Pousadas para adultos na Rota Ecológica: Aldeia Beijpirá

Dos mesmos donos da Borapirá, tem  pousada Aldeia Beijupirá, só que para hóspedes a partir dos 16 anos. Fica na praia do Laje, vizinha a Tatuamuanha, e tem uma piscina ótima com uma longa raia, jardim florido, e bangalôs, alguns com piscina privativa.

E a pousada Aldeia Beijupira, na praia da Laje: só para maiores de 16 anos

E a pousada Aldeia Beijupira, na praia da Laje: só para maiores de 16 anos

O bangalô da Aldeia por dentro: entre as melhores pousadas da Rota Ecológica

O bangalô da Aldeia por dentro: entre as melhores pousadas da Rota Ecológica

Varanda do bangalô: chique, mas pé na areia

Varanda do bangalô da Aldeia: chique, mas pé na areia

O que fazer em Alagoas e na Rota Ecológica: adultos, crianças e bebês

A rota ecológica é um lugar para relaxar e se conectar com a natureza. Existem vilarejos, mas de nativos. Não são centrinhos turísticos, com badalo, noitada, e tal. São vilas de pescadores, com alguns mercadinhos, farmácia, uma ou outra loja de artesanato local, e ponto. Às, 9h da noite, não tem quase viv’alma na rua, tirando num ou noutro bar.

Espalhado por esses vilarejos, existem alguns ótimos restaurantes que listo abaixo , e onde vale à pena ir jantar caso queira sair da pousada de noite (se estiver com bebês, e eles estiverem cansados, jante na pousada mesmo e relaxe). De resto, é acordar bem cedo curtir o mar, o sol e fazer alguns passeios bem tranquilos.

  • Onde comer na rota ecológica, o Amor:  recomendo ir no Amor, um mediterrâneo excelente  na praia do Laje, em frente à pousada Aldeira Beijupirá. Lá, comemos um risoto com camarões grandes maravilhoso, um ravioli de massa finíssima recheado com pato e molho de tangerina, e o ravioli Aperto com camarões flambados e molhos de queijo, seguido dos profiteroles de sobremesa. O vinho que nos acompanhou era o portruguês Contador de Histórias, de Setúbal. O restaurante funciona das 19h à meia-noite, fecha à terças e um domingo por mês.
  • Onde comer na rota ecológica, o Quintal: Outro restaurante que vale ir é o Quintal, no Toque, onde boa parte dos ingredientes vêm da horta orgânica plantada lá mesmo. Um dos destaques é o carpaccio de melancia com manjericão, queijo e castanha.
  • Onde comer na rota ecológica, o Borapirá: O restaurante da pousada Borapirá é maravilhoso, com um cardápio de peixes e frutos do mar que misturam doce com salgado, com o camarões puxado na manteiga de garrafa servido com arroz de passas de caju, e o camarão com abacaxi e arroz de coco. Das sobremesas, a cartola é a melhor, com goiabada cascão quentinha e requeijão. O bacana é que , além disso tudo, tem um menu pra crianças.
  • Passeio de jangada para as piscinas naturais: recomendo super, inclusive pra quem vai com bebês. As jangadas são pequenos barcos de madeira, bem típicas, e que carregam poucas pessoas, e você pode pedir que seja uma com sombra. Há várias piscinas naturais na Rota Ecológica, e para todas a navegação e rapidinha (uns 10 minutos) e vir águas rasas e calmas. A mais cheia delas é a de São Miguel. Se quiser ficar numa boa sem ninguém por perto, combine com o barqueiro o passeio para as piscinas do Patacho e de Tatuamunha. Nós fizemos o nosso com a Luck Receptivo, mas a Borapirá também pode agendar o passeio diretamente.
  • Passeio de buggy pelo vilarejo , artesãos e praias: esse não recomendo pra quem vai com crianças pequenas, porque elas podem achar chato. O tour vai num mirante, depois passa pela oficina de alguns artesões, visita um casal fofíssimo de pescadores (um dos mais antigos da região) e finalmente termina nas praias. Uma coisa que acho bacana na rota é que é proibido andar de buggy na areia, por isso o carro .vai por dentro dos vilarejos. É interessante, mas é adulto. De novo, fizemos com Luck Receptivo
  • Bike na orla: A areia das praias de São Miguel, Patacho, Tatuamunha, Lage são bem durinhas, e dá pra pedalar direto. Nós alugamos nosso bike com o Julio (22 9344-4874), e custa R$30 cada bike pelo dia todo. Ele entrega e busca na pousada onde você estiver, e tem bikes menores para crianças.
  • Peixe-Boi: Vale super, ainda mais pra quem está com crianças pequenas! A  história do projeto é seguinte: os peixes-boi estavam em risco, e em Alagoas já estavam extintos. Então moradores locais se juntaram ao IcmBio se juntaram para salvar a espécie. Hoje, existe um santuário no Rio Tatuamunha, e um centro de recuperação em Itamaracá. E o passeio é feito justamente no Tatuamunha, de jangada sem motor, para observação dos animais que vivem livres ali. Para comprar os ingressos, basta ir na sede da associação (R$40 por pessoa).  Recomendo ir pelo menos um dia antes, porque há limite de visitantes
  • Foz do Rio Tatuamunha: adoro esse lugar, principalmente na maré vazante. Várias piscinas e bancos de areia de formam, e a geografia é linda. O mar também é bem calminho, bom para bebês É um bom lugar para ver o fim de tarde, e dá pra chegar de carro ou de bike (leve água, porque não tem onde comprar)
  • Galés e passeio de Orla Maragogi:  fica a 1h30 dos vilarejos da Rota Ecológica, e tem um mar muito, muito azul.  Os passeios para as galés (piscinas naturais famosas em Maragogi) só podem ser feitos quando há maré baixa (confira a tábua de marés de alagoas). Quando a maré não está baixa, os passeios são feitos pela orla, de Maragogi até Antunes. O mar é muito azul, e muito bonito. Mas tenha em mente que Maragogi (leia aqui o post completos com dicas de Maragogi) é bem cheio, e que os barcos são catamarãs com música sempre alta. Também fizemos maragogi com Luck Receptivo
  • Bastismo em Maragogi: outra coisa que pode ser feita nesse bate-volta para Maragogi é o batismo de cilindro. É  um batismo de 15 minutos num banco de corais, a uma profundida rasinha de 1 a 4 metros. É bem tranquilinho, vale pra quem nunca ficou embaixo d’água, mas não vimos muitos peixes. De novo, fizemos com a Luck Receptivo.
Passeio de jangada em Tatuamunha

Passeio de jangada em Tatuamunha

Praia de Tatuamunha, em frente à pousada Borapirá

Praia de Tatuamunha, em frente à pousada Borapirá

Rota Ecológica: praias só com coqueiros e mar azul, sem construções

Rota Ecológica: praias só com coqueiros e mar azul, sem construções

SUP na foz do Rio Tatuamunha

Passeio de jangada nas piscinas de São Milguel dos Milagres

Passeio de jangada nas piscinas de São Milguel dos Milagres

A foz do rio Tatuamunha, vista do alto

A foz do rio Tatuamunha, vista do alto

Passeio de orla, em Maragogi

Passeio de orla, em Maragogi

Foz do Rio Tatuamunha

Foz do Rio Tatuamunha

De bike pelas praias: diárias por R$30

Passeio para conhecer os artesãos de São Miguel dos Milagres

Passeio para conhecer os artesãos de São Miguel dos Milagres

O que fazer em Alagoas: Passeio pra ver o peixe-boi

O que fazer em Alagoas: Passeio pra ver o peixe-boi

O peixe-boi: mais fofo impossível!

O que fazer em Alagoas: visual do passeio do peixe-boi

O que fazer em Alagoas: visual do passeio do peixe-boi

Onde comer na Rota Ecológica de Alagoas: ravioli aperto do Amor: massa finíssima e sabor delicado

Onde comer na Rota Ecológica de Alagoas: ravioli aperto do Amor: massa finíssima e sabor delicado

 

E o vinho de Setúbal, do Amor.

Onde comer em São Miguel dos Milagres e Rota Ecológica: o camarão com arroz de passas do caju, do restaurante da Borapirá

Onde comer em São Miguel dos Milagres e Rota Ecológica: o camarão com arroz de passas do caju, do restaurante da Borapirá

Quanto custa viajar para Alagoas e para a Rota Ecológica:

A rota não é dos lugares mais baratos do Nordeste, e até da pra entender o porquê. Estar no começo do mundo tem sei preço, e os lugares mais intocados costumam ser mais exclusivos também. Mas se minha opinião vale, o investimento vale à pena. Entre Maragogi, Antunes, Porto de Galinhas, Carneiros  e a Rota, eu fico mil vezes com a Rota.

  • Aluguel de carro: a partir de R$6o por dia
  • Transfer Maceio-Milagres: R$65 por pessoa, por trecho
  • Passeio de barco pela orla em Maragogi em catamarã: R$60
  • Passeio Galés em catamarã: R$6o por pessoa
  • Passeio de jangada na Rota Ecológica: R$40 por pessoa
  • Aluguel de bike: R$3o por diária
  • Refeição  Borapirá: em média R$45-R$70 por prato de frutos do mar
  • Refeição  no Amor: em média R$45 – R$6o o prato principal
  • Entrada projeto peixe boi: R$4o por pessoa

 

>>>Siga o Juju na Trip também pelo instagram e pelo youtube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.