Aos 13 anos, a Juju virou meme na internet porque conhece mais de 20 países

Aos 13 anos, Julia conhece mais de 20 países.  Aos 13 anos, Julia foi chamada para falar dessa vida nômade num programa da tevê. E virou meme. A entrevista viralizou na internet, e virou uma brincadeira com comentários engraçados e divertidos.

Captura de Tela 2017-05-31 às 03.03.50

Tudo começou com esse post de cima, e foi rolando daí pro resto da web. Lendo os comentários, me deu vontade  de falar sobre essa história da Juju viajar tanto, e que tem a ver com um assunto que eu acho muito importante. Divido aqui com vocês meu relato pessoal, e fiquem à vontade para deixar suas opiniões:

Por trás da brincadeira, a maior parte dos comentários mostrava uma discrepância entre a nossa realidade e a das outras pessoas. Pouca gente tinha a mesma bagagem que a Juju; muita gente tinha muito mais idade e conhecia muito menos do mundo  – alguns nem tinham saído do estado onde nasceram. Num país onde 20 milhões de pessoas vivem em situação de extrema miséria,  onde 30% das famílias ganham menos de um salário mínimo, onde 13 milhões são analfabetos, e onde nem a terra nem a riqueza são distribuídas, tantos carimbos no passaporte de uma criança pode soar extravagância.

Mas a verdade é que qualquer um pode viver assim. E viajar assim. Nós não somos os únicos, embora sejamos minoria. A real é que esse é um processo de desapego. Tudo começa por nesse ponto.

Não viajamos porque somos ricos, viajamos porque foi uma opção de vida, muito suada, e que demandou muita coragem. Para isso, larguei meu emprego com salário fixo no fim do mês e plano de saúde, vendi meu carro, fiz um bazar do meu antigo armário, parei de comprar roupas, de biritar com os amigos, e transformei isso tudo em caixinha de viagem. E o Rico, o pai e marido mais lindo e cheio de amor desse mundo, chegou junto.

Viajamos do jeito que dá, de carro, de carona, de avião, em hotel de luxo com o apoio de parceiros aos nossos projetos, em hostel, em casa de amigos. E trabalhamos pacas, mas de uma forma alternativa, para que essa vida louca nos sustente. As viagens são um ganha pão: a gente gera conteúdo pra uma penca de lugares. Há quem trabalhe em escritórios, há quem trabalhe pelo mundo. Nós fazemos parte dessa segunda leva.

Viajar é um prazer enorme. Não existe nada que nos faça mais feliz, que nos una mais. Mas também acreditamos que, justamente diante da crise de grana e de valores – não só do Brasil,  mas do mundo todo –  viajar é mais importante que tudo. É a nossa aposta para que a Juju (e nós) sejamos pessoas mais tolerantes (sim, não me canso de falar isso), justas e combativas.

Se vamos para a África, fazemos os safáris incríveis, mas sabemos que ali do lado tem reservas de jogos de caça. E que longe das cercanias turísticas, uma população miserável é vitimada por DSTs enquanto a indústria farmacêutica briga pelos Royaltie$ dos remédios.

Na Patagônia, vemos lindos glaciares, mas também nos deparamos com o degelo, e os problemas do aquecimento global.

No Pará e na Amazônia, índios sem terra. Já em Bonito, muita cachoeira linda, mas também muita terra concentrada nas mãos de poucas famílias. E assim vamos vendo o mundo, e entendendo o que precisa mudar.

No Brasil, na Jamaica, em Bali, na Indonésia, no Laos, na Europa. Por onde vamos, aprendemos que não somos iguais. A ideia de sermos iguais pressupõe  povos subjugados à realidade de outros mais fortes. Somos todos diferentes. Temos cores diferentes, crenças diferentes, culturas e costumes diferentes. E essa diferença é linda, e deve ser respeitada e valorizada.

Viajar é libertário.

#Lutaquesegue

juju-camboja-11

chiang mai2

IMG_0239

 

 

Quer viajar mais e ficar por dentro de todas as dicas, novidades e promoções?

Deixe seu email aqui!

10 Comments

  • Pericles Rosa disse:

    Muito bom esse post, seu relato, atitude e história!!
    Também penso da mesma forma, e viajar pra mim é imprescindível, embora algumas pessoas não entendam.
    A vida de ninguém é perfeita, e cabe a nós irmos em busca do que sonhamos/acreditamos.
    Também deixei minha zona de conforto, e “vida dos sonhos” para viver experiências novas, e me tornar uma pessoa melhor com cada uma delas.
    Aqui um pouco do meu relato, de como viu de professor de química insatisfeito, a blogueiro de viagens em menos de 8 anos.
    http://www.7continents1passport.com/como-visitei-40-paises-antes-40-anos/?lang=pt-br
    Safe travels! 😉

  • Claudia disse:

    uma curiosidade: como a juju estuda, em meio a tantas viagens?

    • admin disse:

      Oi, Claudia. Fazemos umas 3 viagens por semestre letivo, que duram de 5 a 12 dias. Na volta de cada viagem, eu estudo com ela o conteúdo pedagógico perdido. A escola compreende as faltas. porque entende que ela aprende muito nas viagens.
      E nas férias escolares, conseguimos ficar mais tempo.

  • TT disse:

    Parabéns pelo texto. No mundo atual as pessoas tendem a ficar no superficial de tudo e fazem pré julgamentos sem conhecer a realidade e a trajetória do outro. Eu não tenho filhos ainda mas gostaria muito de um dia poder viver assim como vocês. Como não adianta só o desejo, estou implantando o desapego e trabalhando para isso. Continuem seguindo firmes pois vocês estão vivendo do jeito que amam, com fruto do trabalho de vocês e a Juju tendo toda essa experiência de vida entenderá muito mais o coletivo.

  • Luiza Armelau disse:

    Adorei o texto, a visão de vida e o respeito por si mesmo e pelos outros.
    Somos mesmo todos diferentes e ter a ousadia de fazer diferente para aprender com as diferenças não é um luxo , mas um ato de coragem.
    Respeito muito o que vocês fazem e torço muito pelo sucesso do seu projeto de vida.
    Grande abraço!

  • Patrícia Pinheiro disse:

    Parabéns! E esse é o meu sonho de vida: conhecer o mundo e muitas culturas. Sou Socióloga e pretendo me especializar em Antropologia. Então, nada melhor que viajar para complementar meu trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.